28 junho 2006

Machismo Cigano?


Machismo Cigano
O dito machismo entre as culturas ciganas é assunto bastante polêmico... Bom, o que podemos dizer é que, na maior parte das vezes, esta afirmação é verdadeira.
O homem ocupa a função de patriarca, de chefe da família, na maioria dos grupos ciganos, sendo que deve ser respeitado como tal. À mulher cabe o cuidado para com os filhos e o marido, assim como os afazeres domésticos. E, olhando por este prisma, realmente veremos a sociedade cigana como extremamente machista.
No entanto, ao encararmos por um outro ângulo veremos que também cabe ao homem cigano proteger a família, assim como ser o braço forte no âmbito familiar. Também este homem deverá ser a sua esposa não só fiel, como também ser seu apoio e segurança. Às mulheres cabe o papel de transferir ao marido e aos filhos a docilidade feminina, assim como incentivar o companheirismo e o amor familiar.
Vamos dizer que os papéis são muito bem definidos entre homens e mulheres e, que, de certa forma, pode-se concluir que o dito machismo cigano pode apenas tratar-se de uma questão de ponto de vista.
E você... O que pensa sobre isso?
(Lyanka Alexys)

Um comentário:

Kalissa disse...

Um certo machismo de vez em quando é até bom, dá a sensação de que alguém é por você, como não se sentir segura sabendo que a pessoa a seu lado te protegerá de qualquer situação difícil,ou então que você não terá que assumir a responsabilidade de tomar certas decisões,ou ainda que você não precisa se preocupar como irá suprir suas necessidades? Mas o exagero nesse machismo pode dar a sensação de impotência, de incapacidade, de aprisionamento, de castração...é como se não pudessemos escolher por nossa própria cabeça quais os rumos que queremos tomar, de que não somos capazes de produzir algo de útil por nós mesma,de que forma queremos resolver as coisas, onde queremos empregar nosso dinheiro,de que maneira nos relacionaremos com as pessoas ao nosso redor ou o poder de decidir aonde e quando ir e vir,etc...
Acho que na realidade toda cultura se adapta ao tempo que se vive no momento, que os princípios devem ser mantidos, como esses papéis tão bem definidos, mas sem o exagero. Acho que as decisões devem ser tomadas em comum acordo, que a responsabilidade da educação dos filhos devem ser dos dois, que a segurança e proteção venha do homem, mas que se necessário for que aceite a participação da mulher, que a docilidade e o companherismo continue sendo função da mulher, mas que o homem saiba corresponder a tudo isso.
Que a mulher não seja vista como um santuário e sim como um ser pensante, companheira capaz de decidir, opinar e que seja frágil nos momentos certos e forte nas horas da necessidade. Que o homem não seja um chefe autoritário e sim um companheiro forte mas amável.
Ao meu ver tudo tem que ter um equilíbrio nessa vida, de forma onde o respeito e consideração seja mantido, onde a compreensão e o Amor seja cultivado todo dia.